quinta-feira, 27 de agosto de 2009

COMBATE À MORTALIDADE MATERNA PODE GERAR CAMPANHA EM TODO O ESTADO

Baixa qualidade do trabalho pré-natal, alto índice de cesarianas, falta de leitos, baixa qualificação dos profissionais e a inexistência de cuidados pós-parto foram alguns dos problemas citados como responsáveis pelo alto índice de mortalidade durante a gestação. O assunto foi tema de debate durante a audiência pública realizada, na manhã desta quarta-feira (26/08), pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), presidida pela deputada Inês Pandeló (PT). "Hoje, o número de mulheres grávidas no País é bem menor do que aquele que tínhamos há 10 ou 20 anos. No entanto, os números da mortalidade materna se mantêm iguais. É uma situação muito grave. Estamos unindo alguns órgãos da sociedade civil e vamos procurar o secretário de Estado de Saúde, Sérgio Côrtes, para saber o que vem sendo feito para reduzir essas mortes", afirmou a deputada, que pretende lançar uma campanha para conscientizar a população sobre o problema. "Este debate e os dados citados aqui servirão de subsídio para o desenvolvimento de uma campanha de informação e sensibilização da população e dos órgãos públicos", concluiu Pandeló.

LEIA A MATÉRIA COMPLETA
VEJA FOTOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Galeria de Fotos